12/01/2018 17:20

Argentino de Bernardo de Irigoyen é acusado de 'comprar' crianças para sacrifício humano

Homem teria "trocado" as crianças por um caminhão roubado

Um dos sete investigados no caso da morte de duas crianças em um ritual satânico, no bairro Lomba Grande, em Novo Hamburgo, seria um ex-morador de Bernardo de Irigoyen. Fato foi revelado na última segunda-feira, 08.

Na oportunidade o delegado encarregado do caso, Dr. Moacir Fermino, da 2ª Delegacia de Homicídios de Novo Hamburgo também contou detalhes sobre o ritual de magia negra envolvendo as duas crianças que foram esquartejadas e tiveram partes dos corpos jogadas em uma estrada.

De acordo com o delegado, sete pessoas estão envolvidas no crime, considerado por ele “bárbaro, horrendo e terrível”. Quatro foram presas, são elas Silvio Fernandes Rodrigues que seria o “Bruxo”, Marcio Miranda Brustolin, Jair da Silva e Andrei Jorge da Silva; outros três seguem foragidos, são Paulo Ademir Norbert da Silva, Anderson da Silva e Jorge Adrian Alves, os quais já estão com a prisão preventiva decretada.

Ainda segundo Fermino, os irmãos, a menina de entre 10 à 12 anos e um menino de entre 06 a 08 anos, seriam do estado argentino de Corrientes, e teriam sido trocadas – provavelmente por traficantes – por um caminhão roubado.

As crianças conforme já divulgado foram compradas por dois empresários do ramo imobiliário de Novo Hamburgo, para serem sacrificadas em um ritual de prosperidade aos negócios imobiliários, além de venda e compra de veículos.

Para realizar o rito macabro, o “Bruxo”, teria exigido R$ 25 mil à vista, além das duas crianças, que tinham que ser do mesmo sangue.

As crianças – irmãos por parte de mãe – teriam sido alcoolizadas, e depois tiveram a cabeça decapitada. Os outros membros teriam sido cortados depois. Há suspeita de que os participantes do ritual teriam bebido o sangue delas.

Durante as buscas no templo, a Polícia Civil apreendeu uma capa e uma máscara usada pelo bruxo durante o ritual, além de documentos que comprovariam as atividades. Os materiais estavam em um cofre, que a Polícia demorou cerca de cinco horas para conseguir abrir.

O que se sabe até agora sobre o ritual satânico com crianças esquartejadas

A Polícia Civil de Novo Hamburgo divulgou nesta segunda-feira, 08, novos detalhes sobre o caso dos dois irmãos encontrados esquartejados em Novo Hamburgo, cuja morte teria ocorrido supostamente em um ritual satânico. Confira o que a polícia já sabe sobre o caso:

Quem são as vítimas?

As primeiras partes de corpos de duas crianças foram encontradas no dia 4 de setembro de 2017, no bairro Lomba Grande, em Novo Hamburgo, Vale dos Sinos. Uma delas foi identificada como um menino, com idade entre oito e 10 anos, e uma menina, de 10 a 12 anos, conforme exame pericial. No dia 18 de setembro, outros membros foram encontrados, a cerca de 350 metros do primeiro local, e foram atribuídos aos mesmos irmãos, que têm a mesma mãe e pais diferentes.

Os crânios até agora não foram localizados. As investigações apontam que as crianças poderiam ser argentinas e trazidas de uma região pobre de Corrientes.

O que leva a crer que as crianças eram Argentinas?

O principal indício é que um dos suspeitos foragidos é argentino— identificado como Jorge Adrian Alves. Conforme o delegado Fermino, a hipótese é que as vítimas tenham sido trocadas por um caminhão, roubado no Brasil, e levado até a província de Corrientes, na Argentina, onde a polícia suspeita que as crianças moravam. Jorge tem relações em Corientes e também em Missiones, duas províncias que fazem fronteira com o Brasil. Outro fato é que o material genético dos irmãos não foi localizado em bancos de DNA no Brasil e nem características compatíveis em listas de desaparecidos brasileiros.

Quem teria encomendado o ritual e qual a motivação?

Conforme as investigações, os sócios Paulo Ademir Norbert da Silva e Jair da Silva teriam pago R$ 25 mil à vista por ritual que os traria maior prosperidade em seus negócios, do ramo imobiliário. Segundo o delegado, os empresários, que possuem vários empreendimentos imobiliários, além de revenda de carros e comércio de melancias, pretendiam desenvolver mais seus negócios e, por isso, Paulo apresentou o sócio ao bruxo. A polícia suspeita que ele já tenha pago por outros rituais no passado. Os filhos de Jair, Andrei e Anderson, também teriam participado do ritual, a fim de reunir sete pessoas — número supostamente cabalístico para o ritual.

Quem teria executado o ritual e como?

Sílvio Fernandes Rodrigues seria o bruxo e mestre que executou o ritual. Ele teria dado o valor, exigido duas crianças do mesmo sangue e determinado o passo a passo da magia, desde a renúncia a Deus por parte de Jair até o sacrifício dos irmãos e a desova das partes dos corpos em locais estratégicos. Os demais participantes, Márcio Miranda Brustolin, o argentino Jorge Adrian Alves, os empresários e seus familiares teriam participado do ritual, venerando ao diabo e executando os passos determinados pelo bruxo.

Como ocorreu a morte dos irmãos?

As investigações mostram que a menina, mais velha, teria sido esfaqueada ao tentar reagir. Já o menino, teria sido alcoolizado antes da morte. Os dois teriam sido decapitados com uso de torniquetes enquanto estavam amarrados a pedestais.

Há indícios de que as crianças tenham morrido no templo?

Até o momento, provas testemunhais indicam que as crianças tenham sido mortas no local, que fica na zona rural de Gravataí. Objetos, vídeos e documentos reforçam a investigação.

Há provas do consumo de carne e sangue humano dos menores?

O delegado Fermino acredita que carne e sangue humano foram consumidos durante o ritual pelo relato de testemunhas. Como os envolvidos negam terem cometido os sacrifícios, ainda não há outras provas.

Como o delegado diz que chegou à solução do caso?

Segundo o delegado Moacir Fermino, o nome da operação é Revelação, pois Deus teria revelado o caso a ele, por intermédio de dois profetas — como ele chamou os informantes dos investigadores. A partir das informações repassadas pela dupla, a polícia conseguiu avançar na investigação e chegar ao templo satanista em Gravataí. Haveria ainda outros indícios de ligação que são mantidos em sigilo, porque a investigação ainda está em andamento.

Fotos
Fonte: Diário Dia/Diário Gaúcho