11/10/2017 22:59

Família de gerente de banco consegue na justiça liberação de restos mortais

DNA poderá levar dois meses para ser concluído

  A família da gerente de banco em Realeza, Vanda Salete Crestani Cantelle, 50 anos, obteve na justiça a liberação dos restos mortais no Instituto Médico Legal (IML) de Francisco Beltrão. O velório e o sepultamento acontecem nesta quarta-feira à tarde em Realeza. Há fortes indícios de que seja ela a vítima encontrada carbonizada dentro de um automóvel Honda Civic incendiado, que pertence à família, na manhã de terça-feira, 10, em um terreno agrícola na margem da PR 182, em Ampere.

Bem próximo do carro, autoridades localizaram a bolsa de Vanda com seus documentos e pertences pessoais. A família resolveu não esperar a identificação oficial, que irá acontecer através de exame de DNA feito na capital do Estado, e que pode demorar cerca de 60 dias.

O pedido de alvará judicial foi solicitado pela família no Fórum da Comarca de Realeza e deferido pelo juiz de Direito Christiano Camargo. O velório aconteceu na Igreja Matriz em Realeza e no final da tarde o sepultamento no cemitério municipal.

Vanda desapareceu na segunda-feira, 9, em Realeza. Ela saiu da agência bancária por volta das 16 horas, teria passado em um supermercado próximo do local de trabalho, e depois não foi mais vista.

O inquérito foi instaurado pelo delegado Fernando Zamoner, da Comarca de Ampere, para investigar o crime. Equipes da delegacia de Ampere, Realeza e Francisco Beltrão estão coletando informações para identificar o autor do homicídio. O grupo Tigre (Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial) foi acionado e uma equipe está no município para auxiliar nas investigações. 

Fonte: Rádio Clube Realeza/Jornal de Beltrão