6 de maio de 2022

Após exposição de casos de propaganda enganosa, Procon orienta consumidor no Paraná

Órgão optou por publicar um alerta à população. Duas redes de fast food foram notificadas por suspeita de vender hambúrguer sem o ingrediente principal

Após exposição de casos de propaganda enganosa, Procon orienta consumidor no Paraná

A despeito de terem tirado suas mensagens publicitárias do ar, conhecidas redes de fast food do País protagonizaram campanhas que se caracterizaram como propaganda enganosa. Elas anunciaram sanduíches com picanha e com costela, mas não entregaram o que haviam prometido em suas mensagens publicitárias.

O fato levou o Ministério da Justiça e Segurança Pública a notificar as redes McDonald´s e Burger King por “suspeita de vender hambúrguer sem o ingrediente principal”.

O Procon Paraná, vinculado à Secretaria da Justiça, Família e Trabalho, optou por alertar a população (em vídeo) sobre a necessidade de ficar atenta a esse tipo de comportamento, que pode resultar em crime contra os direitos do consumidor.

Claudia Silvano, chefe do órgão de defesa do consumidor no Estado, define como providencial a imediata ação do Ministério da Justiça e Segurança Pública, através da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), que notificou o McDonald´s e o Burger King por propaganda enganosa.

“O Procon-PR alerta os consumidores para que denunciem todo e qualquer abuso contra seus direitos. Um deles é a propaganda enganosa, que induz a comprar produtos que não correspondem às expectativas”, diz Cláudia. “É preciso ficar atento, sempre, inclusive às questões subliminares que, ficam nas entrelinhas. A mensagem publicitária deve ser clara, não pode gerar dúvidas. Qualquer coisa diferente disso se caracteriza como propaganda enganosa, o que deve ser denunciado”.

Para Rogério Carboni, secretário da Justiça, Família e Trabalho do Paraná, ao adotar uma postura educativa, de orientação, o Procon-PR alerta o consumidor a ficar atento, sempre, diante de ações que se caracterizam como propaganda enganosa, que objetivam induzi-lo a pagar por algo que não existe, que não é real.

“A sociedade paranaense pode ficar segura de que o Governo do Estado, por meio da Sejuf e do Procon-PR, está sempre na defesa incondicional de seu direito e do pleno exercício de cidadania”, complementou.

Fonte AEN